As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, sob o mote “O Funchal Que Nos Une”, visitaram, esta manhã, na freguesia de São Pedro, as instalações da APPDA – Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo da Madeira. O Presidente Miguel Silva Gouveia, e a Vice-Presidente, Idalina Perestrelo, foram recebidos pelo Presidente da Direção, Carlos Nogueira, e pela Diretora Técnica, Sofia Erra.

O Executivo teve assim a oportunidade de visitar as instalações desta instituição, que foi criada em Abril de 2004 por um grupo de Pais de crianças com perturbações do desenvolvimento e autismo, e que tem como objetivo principal melhorar a qualidade de vida destas crianças, jovens, e adultos, e das suas famílias. Miguel Silva Gouveia referiu que “a Câmara Municipal do Funchal tem procurado cumprir o seu propósito e o seu papel, através da atribuição de apoios financeiros a estas associações de solidariedade social, e é gratificante poder estar com estas pessoas, conversar com quem está diariamente no terreno, e perceber de que forma ainda podemos melhorar, em prol de uma cidade mais ativa e inclusiva”.

O centro de Apoio Terapêutico da APPDA proporciona também apoio individualizado em diversas áreas, como é o caso da Psicomotricidade, Psicologia, Terapia da Fala, Musicoterapia, e Fisioterapia. A APPDA realiza ações de sensibilização e esclarecimento nas escolas e junto da população, para desmistificar a problemática das perturbações do desenvolvimento e autismo, e procura ocupar os jovens e adultos, inserindo-os no mercado de trabalho.

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, acompanhado pelo respetivo Executivo, visitou as obras de requalificação do Museu de História Natural do Funchal, no âmbito das Presidências Abertas, que decorrem este mês na Freguesia de São Pedro. A primeira fase de obras estruturais do edifício fica concluída no verão, altura em que o Museu reabrirá ao público.

Miguel Silva Gouveia, numa visita às várias intervenções levadas a cabo na estrutura do palácio histórico com mais de 200 anos salientou que “é uma prioridade dotar os edifícios camarários de acessibilidade à mobilidade reduzida, e dado a antiguidade do edifício e a capacidade da infraestrutura para a instalação de um elevador, estas obras representam uma abordagem complexa, a par dos passos largos que Município tem dado em prol do acesso de todos à cultura, traduzindo-se um investimento de mais de 1 milhão de euros.”

Para a 2ª fase do projeto a Autarquia apresentou ao Instituto de Desenvolvimento Regional (IDR) a proposta para financiamento do orçamento de 1,5 milhões de euros que “trará ao Museu um novo conteúdo museológico com novas atrações para os 15 mil visitantes anuais que o Museu recebe, funchalenses ou turistas. Estando o Madeira 14-20 com um excedente de cerca de 4 milhões de euros e tendo sido tornado público que esse valor seria canalizado por exemplo para o Museu do Romantismo, que tanto quanto sabemos já foi financiado pelo Fundo de Turismo, o Município do Funchal também manifesta a intenção de pretender ver a 2ª fase desta obra financiada por esse excedente”, acrescentou o Presidente.

A iniciativa “O Funchal que nos Une”, as Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, visitaram a sede da Tuna D’Elas, Tuna Feminina da Universidade da Madeira, na freguesia de São Pedro. O Presidente da Autarquia, Miguel Silva Gouveia, acompanhado pelo respetivo Executivo Municipal, foram recebidos pela Presidente da Direção, Bruna Gouveia.

No encontro foram abordadas as participações ativas da Tuna D’Elas na agenda cultural da Cidade como os Altares de São João, o Fica na Cidade, a Noites do Mercado. Para Miguel Silva Gouveia, o “Município apoia a promoção de iniciativas dirigidas aos jovens com o intuito de cimentar e otimizar as políticas de juventude do concelho. O Funchal está no momento a desenvolver um Plano Municipal de Juventude que pretende agregar entidades e associações para jovens, sustentando a nossa visão na opinião e na participação destes, só assim conseguimos responder às suas necessidades e ir de encontro à cidade que eles também pretendem”.

A Tuna D’Elas, criada em 1997, conta atualmente com cerca de 30 elementos. Soma participações e prémios em festivais e encontros nacionais e internacionais que enaltecem o intercâmbio cultural, musical e social entre tunas académicas.

A iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, as Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, que estão a decorrer, durante este mês de fevereiro, na freguesia de São Pedro, visitaram hoje, as instalações da delegação da Madeira da AMI – Assistência Médica Internacional. O Presidente Miguel Silva Gouveia, acompanhado do respetivo Executivo, foi recebido por Helena Andrade, responsável pela delegação da AMI na Madeira, e Cristina Menezes, responsável pelo Centro de Ação Social da AMI “Porta Amiga”, que fizeram as honras da casa.

Miguel Silva Gouveia começou por expor à Direção da AMI o propósito da iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, que o Executivo tem levado até à população, clubes e associações da cidade, com o intuito de perceber a sua realidade, as necessidades e as dificuldades que enfrentam. A AMI destacou, por sua vez, a colaboração desenvolvida com a CMF nos últimos cinco anos, em que o Município reconheceu o trabalho de interesse público que a AMI tem com a cidade.

A Câmara Municipal do Funchal cedeu o edifício onde está instalada a sede da AMI, para que ali pudessem desenvolver o seu trabalho, e tem contribuído com outros apoios financeiros, “sabemos o importante papel social que a AMI realiza, e procuramos sempre estabelecer pontes, no sentido de também facilitar um trabalho que por si só já é difícil e complexo. E da nossa cooperação saliento a atribuição de 18 mil euros anuais, através do nosso programa de atribuição de Apoios Financeiros ao Associativismo e Atividades de Interesse Municipal, e também o trabalho de reciclagem de radiografias realizado pelos nossos serviços, onde cada 1000 kg de radiografias obtido, rendem 10 kg de prata, que é vendida, e essa verba posteriormente é cedida a favor da AMI”.

A AMI é uma Organização Não Governamental (ONG) portuguesa, privada, sem fins lucrativos, fundada em 1984, que tem como objetivos principais lutar contra a pobreza, a exclusão social, o subdesenvolvimento, a fome, e as sequelas da guerra, em qualquer parte do Mundo. Na Madeira está representada desde 1997, e atualmente possuem cerca de 75 voluntários inscritos.

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, e o respectivo Executivo camarário, estiveram, durante toda a manhã, no Externato da Apresentação de Maria, na Freguesia de São Pedro, onde decorreu a visita das Presidências Abertas da Autarquia, sob o mote “O Funchal Que Nos Une”, e também a habitual Reunião de Câmara semanal.

Miguel Silva Gouveia, começou por explicar que “tivemos a oportunidade de conversar com duas turmas, do 6.º e 8.º ano, onde respondemos a algumas perguntas colocadas pelos alunos, e é com muita satisfação que verificamos que a consciência social destes jovens está bastante apurada, pois colocaram a todo o Executivo camarário questões relacionadas com a crise climática, e com o papel que a Câmara Municipal tem desenvolvido para mitigar desigualdades sociais, e também do trabalho pela causa animal”.

Relativamente às deliberações tomadas na Reunião de Câmara, Miguel Silva Gouveia destacou a aprovação da abertura de dois empréstimos, “o primeiro empréstimo foi para a comparticipação municipal da segunda fase das obras que visam monitorizar e controlar as perdas de água no concelho, o investimento total ascende aos 10 milhões de euros, e procuramos financiar os 5,5 milhões que não são comparticipados pelo POSEUR, por fundos comunitários, e vamos pedir um empréstimo para que essa obra possa ir para o terreno”.

“Já temos a primeira fase em andamento, que compreende as Freguesias de São Martinho, Santo António e São Roque, a segunda fase irá abranger o restante concelho, não queremos deixar ninguém para trás, e vamos tornar realidade aquilo que os funchalenses também procuram, que é ter uma cidade ambientalmente mais sustentável com este investimento nas redes de água”.

O outro empréstimo aprovado por unanimidade refere-se à renovação da frota do Departamento de Ambiente da Autarquia, nomeadamente a frota de recolha de resíduos sólidos urbanos, e ainda dos veículos que fazem a transferência de resíduos para a Meia Serra. O Presidente referiu que “são cerca de 40 viaturas a serem renovadas ao longo dos próximos 3 anos, num investimento de 5,9 milhões de euros”.

O edil funchalense concluiu esclarecendo que “no passado existam instrumentos financeiros, como o fundo ambiental, ou as receitas do jogo instantâneo, que permitiam equipar os municípios com viaturas de recolha de resíduos, actualmente não existindo, a Câmara Municipal do Funchal não pode deixar de fazer os investimentos que são necessários, e recorrer ao empréstimo é também uma forma de ultrapassar o chumbo do Orçamento Municipal, chumbado pelo PSD e pelo CDS, que agora implica que tenhamos de recorrer ao crédito para manter o investimento que o Funchal precisa”.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, sob o mote “O Funchal Que nos Une”, visitaram o Centro da Mãe, uma instituição particular de solidariedade social, que tem como missão o apoio e acompanhamento de mulheres, jovens mães, e grávidas em risco. O Executivo camarário foi recebido pela Presidente, e pela Diretora-Técnica Yenny Pestana.

A visita iniciou-se com a passagem pela Loja Social desta instituição, um espaço que recebe doações de artigos de vestuário e brinquedos. Miguel Silva Gouveia salientou que “este espaço para além de ajudar a preencher as necessidades de famílias carenciadas, também contribui para o combate ao desperdício e reutilização das roupas e outros materiais, e dentro desta politica ambiental, a Autarquia entregou no ano passado um cheque solidário de 7500€ ao Centro da Mãe, que resultou do envio de 7459 toneladas de embalagens para reciclagem, pelo que esse valor foi convertido à razão de 1 euro por tonelada e entregue a esta instituição de solidariedade”.

Depois de percorridas todas as valências do espaço, teve lugar uma reunião informal onde foram debatidas e aprofundadas diversas questões, com destaque para as possíveis áreas de cooperação entre o Centro da Mãe e a Câmara Municipal do Funchal, no sentido de poder oferecer às jovens mães, atividades e experiências fora do meio em que estão inseridas. O Presidente reforçou que “a Câmara Municipal do Funchal no passado já ofereceu, em conjunto com a organização do NOS Summer Opening, bilhetes para que as utentes pudessem assistir ao festival, e hoje estivemos a aprofundar este assunto, no sentido de englobar outras áreas em que possamos trabalhar em parceria, seja através da prevenção da gravidez, do apoio ao arredamento jovem, realização de atividades culturais e ambientais, apoio técnico, e promoção da cidadania ativa”.

O Centro da Mãe atendeu, em 2019, um total de 248 casos, sendo que 117 são novos casos e reentradas, e 131 casos com continuidade. Na Valência de acolhimento temporário, o centro recebeu um total de 5 mães e 6 crianças, contabilizando, desde 2010, um total de 41 mães e 46 crianças.

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, e o respetivo Executivo Municipal, foram visitar, no âmbito da iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, as Presidências Abertas da Autarquia, a Associação Club Motards da Madeira, na freguesia de São Pedro, onde foram recebidos pelo Presidente Diego Henriques.

Miguel Silva Gouveia começou por referir que “é com muito gosto que estamos aqui, pois mantemos uma ligação institucional com esta associação, e com todos os motociclistas da cidade, onde trabalhamos em cooperação no desenvolvimento de medidas no espaço público municipal, que visem a proteção dos motards nas nossas estradas, bem como estendemos a parceria a diversas atividades como o Dia do Motociclista, a Mala da Partilha, e o Portugal Lés a Lés.”

O Club Motards da Madeira organiza também o grande evento “Stunt Riding”, que no ano passado contou com a presença de uma das maiores motociclistas desta modalidade, Sarah Lezito. O Presidente destacou que “no âmbito do nosso programa de apoio à atividade em 2019, demos cerca de oito mil euros ao Clube de Motards para organizar os seus eventos, um investimento que terá efeitos multiplicadores e reflexos muito importantes naquela que será também a procura pelo destino Funchal e pelo destino Madeira, pois trazer um grande nome da modalidade, abre espaço para que outros motards e amantes do motociclismo espalhados pelo mundo, tenham curiosidade em participar e conhecer a nossa cidade”.

O Executivo da Câmara Municipal do Funchal visitou, no âmbito das Presidências Abertas, realizadas durante o mês de fevereiro na Freguesia de São Pedro, a Tuna Universitária da Madeira (TUMa). O Presidente Miguel Silva Gouveia, acompanhado pelos vereadores, foram recebidos, pela direção, na sede da TUMa.

Miguel Silva Gouveia, na ocasião, teve oportunidade de se inteirar do percurso da TUMa, ao longo dos seus 25 anos de existência, ressalvando o “impacto que é para o Funchal e para os jovens as iniciativas que elevam o bom espírito académico, que transpõe os muros da universidade ao trazer para as ruas da cidade o intercâmbio com outros jovens, promovendo o destino Funchal e levando o nosso nome além-fronteiras.”

A Tuna Masculina da Universidade da Madeira, criada em 1995, celebrou o seu 25º aniversário no ano passado com a realização do XXV ETUMa – Encontro de Tunas Universitárias da Madeira, o encontro de tunas mais antigo do país a realizar-se sem interrupção e que contou com o apoio do Município.

O Executivo da Câmara Municipal do Funchal visitou hoje as instalações da Porta 33, “uma associação cultural com a qual assinámos um protocolo de colaboração no ano passado, que representou, no global, um investimento de cerca de 40 mil euros em atividades de interesse municipal, que foram concretizadas ao longo de 2019”, começou por referir o Presidente Miguel Silva Gouveia, que foi recebido, na ocasião, por Cecília Vieira de Freitas e Maurício Pestana Reis, em mais uma iniciativa no âmbito das Presidências Abertas do Município – “O Funchal Que Nos Une”, que decorrem este mês na freguesia de São Pedro.

“A Porta 33 conta com mais de 30 anos de atividade, sendo uma das associações culturais mais antigas da cidade do Funchal. É precisamente nessa ótica de salvaguardar este trabalho singular que as nossas Presidências Abertas visitaram hoje a galeria, onde ainda estão presentes algumas das obras daquele que foi o ponto alto da nossa parceria no ano passado, e um marco em termos de arte urbana para a cidade, que foi a exposição Ilhéstico.”

O Ilhéstico foi um roteiro de arte contemporânea desenvolvido para a cidade de raiz, que reuniu um total de 45 participantes, na sua maioria artistas madeirenses, autores de diversas linguagens e com percursos e experiências de vida distintos. O evento foi inédito na Região e lembrou a passagem de várias gerações de artistas pela Porta 33, muitos dos quais vivem e trabalham agora fora da Região, quer no Continente, quer no estrangeiro.

Miguel Silva Gouveia sublinhou que esta foi “uma aposta com reflexos até a nível nacional, com a grande satisfação de apoiar os artistas madeirenses, dando-lhes oportunidade de desenvolverem ao mais alto nível as suas diferentes manifestações artísticas, desde a moda, ao vídeo, à fotografia e à pintura”, tendo anunciado por fim que, este ano, “queremos ajudar a levar o Ilhéstico para fora da ilha, para dar um palco nacional à arte madeirense e àquilo que de bom tem sido desenvolvido no Funchal e na Madeira.”

A Porta33 – Associação Quebra Costas – Centro de Arte Contemporânea foi fundada em 1989. Esta associação cultural privada, sem fins lucrativos, está sediada no centro do Funchal e é um projeto de produção e divulgação de arte contemporânea. Entre as várias atividades dinamizadas, organiza colóquios sobre o trabalho dos artistas residentes e promove visitas guiadas às exposições em colaboração com a comunidade escolar, mantendo um centro de documentação de cultura contemporânea.

A iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, as Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, passaram pela oficina do artesão madeirense Carlos Jorge Rodrigues. O mestre violeiro, que mostrou-se bastante sensibilizado com a visita do Executivo camarário, dedica-se há cerca de 37 anos à construção de instrumentos de corda tradicionais, e ainda que construa qualquer tipo de cordofone, notabilizou-se pelo braguinha, machete, rajão e pela viola de arame.

Miguel Silva Gouveia salientou que “é sempre com um brilho nos olhos que venho visitar o cantinho onde trabalha o mestre Carlos, tanto pela simpatia e entusiasmo que sempre nos recebe, mas também pela magia que este espaço cheio de talento oferece, é a casa onde é trabalhada uma arte tão reconhecida por músicos e colecionadores de todo o mundo”. O mestre violeiro Carlos Jorge, era, até bem pouco tempo, o único profissional deste ofício na Região, no entanto, o filho Henrique Rodrigues seguiu-lhe as pisadas, sendo considerado o mais jovem “luthier” da ilha da Madeira.

A Câmara Municipal do Funchal através do seu programa anual de Atribuição de Apoios Financeiros ao Associativismo e Atividades de Interesse Municipal, apoiou, em 2019, a oficina de cordofones do mestre Carlos com cerca de 7 mil euros , “esta é uma atividade artesanal minuciosa, sabemos da importância manter bem viva as nossas raízes e apoiar o que é nosso, e é isso que temos procurado fazer, assumindo na nossa politica a preservação do património material e imaterial da cidade do Funchal”.