O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, anunciou hoje, após a Reunião de Câmara semanal, que decorreu na Associação OLHO.te, no Bairro da Nazaré, a deliberação de apoios financeiros para a realização de eventos desportivos e para a causa animal. Miguel Silva Gouveia refere que “são 113 mil euros para 13 entidades de âmbito desportivo, que desenvolvem a sua atividade no concelho e cerca de 10 mil euros para três associações que trabalham em prol da proteção, saúde e bem-estar animal”.

O autarca salientou que “apesar das contingências em que vivemos, resultado da situação pandémica, pretendemos criar condições para que, através da atribuição destes apoios municipais, os eventos desportivos que já estão confirmados no Funchal até final do ano se possam realizar. Consideramos que estas atividades potenciam o interesse a todos os funchalenses na adoção de um estilo de vida saudável e são também de grande importância para a dinamização da cidade”.

As entidades apoiadas incluem a Associação de Atletismo da RAM, a Associação de Ciclismo da Madeira, a Associação de Natação da Madeira, a Associação de Surf da RAM, a Associação Regional de Canoagem da Madeira e o Club Sports Madeira, entre outras. No que respeita aos eventos, podem-se destacar a VI Maratona do Funchal, a 45ª Volta à Madeira em Bicicleta, o MIUS – Madeira Island Ultra Swim, o V Madeira Roller Marathon, a III Prova de Regata de Canoas Tradicionais de Santa Maria Maior, o Funchal Outdoor ou, ainda, o Rali Vinho Madeira 2020.

Foi igualmente aprovado, na área cultural, dois regulamentos internos do Museu Henrique e Francisco Franco e do Museu A Cidade do Açúcar. O Presidente explica que “são regulamentos que permitirão ao Funchal ter os seus museus municipais integrados na Rede Nacional de Museus, à qual concorre também todo o inventário do acervo cultural da CMF e que foi mapeado recentemente através do programa MatrizWeb. Damos assim um passo importante para catapultar os nossos museus para uma dimensão nacional e obviamente colocar o Funchal ao lado das grandes cidades deste País”.

Esta foi mais uma reunião descentralizada, no âmbito da iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, e que o Presidente considerou “um orgulho poder projetar o Funchal a partir do maior bairro que a cidade tem, o que significa que a gestão da cidade deve ser uma preocupação de todos os funchalenses. Estamos aqui hoje para que as pessoas também se possam envolver na construção da cidade”.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal sob o mote “O Funchal Que Nos Une”, passaram hoje pela COCAN – Cooperativa Operária e Camponesa de Produção Cultural, Recreativa e Artística, sediada na freguesia de São Pedro. Esta visita englobou também a assinatura do protocolo de atribuição de Apoios Financeiros ao Associativismo e Atividades de Interesse Municipal.

O Presidente Miguel Silva Gouveia, acompanhado pela Vereadora Madalena Nunes, que tutela o pelouro da Cultura, foi recebido pela Vice-Presidente da Direção, Maria do Carmo Lopes, e teve a oportunidade de visitar as instalações e explicar o propósito desta iniciativa levada a cabo pelo Executivo Municipal junto da população, clubes e associações de cada freguesia.

O autarca referiu, na ocasião, que “este é um projeto social que ajuda a preencher as necessidades destes associados, maioritariamente idosos, que aqui encontram uma segunda família, conforto e principalmente um conjunto de atividades que os mantém ativos e em convívio. Só com esta politica de proximidade conseguimos responder às necessidades destas entidades e associações, e ir ao encontro da cidade que eles também pretendem”.

Na reunião informal foi possível conhecer as atividades e a história da COCAN, criada em 1976, que tem como objetivos principais, defender os princípios e a prática do cooperativismo, desenvolver iniciativas que visem o desenvolvimento pessoal e a integração social, contribuindo para a diminuição das desigualdades sociais e pela construção de uma sociedade mais justa.

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, acompanhado pela Vereadora que tutela o pelouro da Cultura na Autarquia, Madalena Nunes, visitou esta manhã, a ANSA – Associação Notas e Sinfonias Atlânticas, onde foi recebido pela Presidente da Direção Vanda Correia de Jesus e pelo Diretor Artístico Norberto Gomes.

Esta foi mais uma visita no âmbito da iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, as Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, que regressaram este mês de julho, depois da pausa forçada devido à pandemia de Covid-19. Miguel Silva Gouveia ficou a conhecer o trabalho que é feito pela Associação, que tem como grande missão gerir a prestigiada Orquestra Clássica da Madeira, e aproveitou a reunião informal para expor, igualmente, o propósito desta iniciativa levada a cabo pelo Executivo Municipal junto da população, clubes e associações de cada freguesia.

O Presidente procurou ainda, durante a visita, perceber a realidade e as necessidades atuais da Associação, “o mundo atravessa uma altura muito conturbada e o meio artístico tem passado por momentos difíceis com o cancelamento das atividades culturais. Apesar de os espetáculos musicais estarem a regressar, é um regresso que se faz lento, e o que procuramos é, através do diálogo e dentro dos recursos que dispomos, oportunidades de melhoria e possíveis parcerias futuras”. No ano transato a Autarquia funchalense atribuiu 1500€ à ANSA para apoio à atividade.

A ANSA – Associação Notas e Sinfonias Atlânticas foi constituída a 27 de maio de 2013. Trata-se de uma instituição provada, sem fins lucrativos e de Utilidade Pública, destinada a gerir e dinamizar a Orquestra Clássica da Madeira  (OCM), e as duas Orquestras de Cordas (Ensemble XII e Camerata) e os seus eus oito agrupamentos de música de câmara, designadamente: Quinteto de Sopros Atlântida, Madeira Brass4, Madeira Brass5, Madeira Brass7, Quinteto de Sopros “Solistas da OCM”, Quarteto de Cordas do Atlântico, Ensemble de Sopros – Octeto e Percussão F.B.I. Funchal Beat Investigation.

“O Funchal Que Nos Une”, as Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, passaram hoje pela Associação Cultural e Recreativa dos Africanos na Madeira (ACRAM). O Presidente Miguel Silva Gouveia, acompanhado pelo respetivo Executivo, foram recebidos pelo Presidente, Augusto Mané e fizeram uma visita às instalações sediadas no Bairro da Nazaré.

Miguel Silva Gouveia começou por explicar o propósito desta iniciativa, interrompida pela crise de saúde pública e que foi agora retomada na freguesia de São Martinho, “só com proximidade e auscultando as populações e as entidades que representam as comunidades, é que conseguimos construir uma cidade mais sólida e mais solidária. Estas são visitas onde, para além da hospitalidade, temos encontrado uma enorme vontade de todos em contribuir para o desenvolvimento social, cultural e desportivo do Funchal”.

A ACRAM é uma organização sem fins lucrativos que tem por objetivo preservar e divulgar a cultura africana na Região Autónoma da Madeira e promover a integração dos imigrantes africanos na sociedade madeirense. Realizam inúmeras atividades que visam a promoção do diálogo intercultural, a sensibilização para a multiculturalidade e a divulgação da cultura africana, com toda a sua musicalidade, ritmos, gastronomia e artesanato.

O Autarca referiu que a CMF procura conhecer no terreno todas as entidades que desenvolvem políticas e iniciativas de interesse municipal, “estamos aqui para ver o trabalho desenvolvido numa área de intervenção social tão importante, que luta pelos direitos das minorias étnicas e pela defesa da identidade cultural. Queremos perceber igualmente de que forma é que a Câmara Municipal pode colaborar com a ACRAM, neste caso através do nosso programa de apoio ao associativismo, que todos os anos atribui financiamento a associações e entidades que desenvolvam atividades que ajudem a comunidade e a nossa cidade a crescer”.

O Presidente terminou salientando que “todos nós queremos ter um Funchal verdadeiramente unido, e o que estamos a demonstrar e temos também recebido nestas visitas por parte das entidades, é que o Funchal é muito maior que um orçamento chumbado. Fica a certeza de que o Funchal vai continuar com aqueles que tiverem à altura da responsabilidade, com aqueles que se unem em torno da cidade, com estratégias e soluções que sejam verdadeiramente estruturantes e inclusivas”.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal sob o mote “O Funchal Que Nos Une”, regressaram esta semana ao terreno, depois da paragem causada pela crise pandémica, e passaram hoje pela Casa do Povo de São Martinho. O Executivo camarário liderado por Miguel Silva Gouveia, foi recebido pelo Presidente da Direção, Agostinho Patrício, e teve a oportunidade de visitar as instalações onde funcionam o Grupo Folclórico local e o Centro de Dia, e conviver com alguns munícipes.

O Presidente Miguel Silva Gouveia aferiu o conjunto de atividades levadas a cabo pela Casa do Povo de São Martinho e enalteceu os méritos do trabalho realizado junto da comunidade local, que tem uma base humana bastante importante, principalmente no apoio às famílias mais carenciadas.

A Autarquia possui um protocolo de cooperação com a Casa do Povo de São Martinho para o ano de 2020, no valor de 3400€, que visa apoiar as diversas iniciativas disponibilizadas no Plano de Atividades para o corrente ano. A Casa do Povo promove o desenvolvimento sociocultural, recreativo, educativo, formativo e desportivo, contribuindo para o progresso e bem-estar dos cidadãos e da freguesia.

“O Funchal que Nos Une” prossegue na próxima semana com as visitas à Freguesia de São Martinho.

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, acompanhado pelo Vereador Rúben Abreu, visitou, na tarde de hoje, a Associação Artística de Solidariedade Social – OLHO.te, neste que foi o regresso ao terreno da iniciativa camarária “O Funchal Que Nos Une”, depois da pausa forçada causada pela pandemia de Covid-19.

Na Nazaré, Miguel Silva Gouveia foi recebido por Hugo Castro Andrade, Presidente da OLHO.te, e destacou o trabalho de proximidade que a Associação tem realizado ao longo dos anos com a população do bairro, um envolvimento que segundo o Presidente “em muito tem contribuído para melhorar a qualidade de vida, promover a inclusão social  e a participação dos cidadãos na vida da cidade”.

O edil funchalense ofereceu uma moldura com o voto de louvor que a CMF atribuiu recentemente à OLHO.te, e elogiou, de forma especial, todo o trabalho realizado durante a crise sanitária, “foi para nós motivo de muito orgulho saber que no período de quarentena esta Associação não abandonou a sua comunidade e realizou diversas iniciativas para apoiar aqueles que mais necessitavam. Apesar das circunstâncias, o trabalho solidário e em prol da comunidade foi garantido, confirmando, se dúvidas houvessem, que no Funchal não deixamos ninguém para trás”.

A Associação OLHO.te foi apoiada em 2019 pela Câmara Municipal do Funchal com cerca de 23 mil euros, através do programa de Atribuição de Apoios Financeiros ao Associativismo e Atividades de Interesse Municipal, e tem sido referenciada por diversas entidades nacionais e internacionais pela qualidade do seu trabalho, onde se destaca o reconhecimento da Fundação Calouste Gulbenkian através do programa PARTIS, Práticas Artísticas para a Inclusão Social, no projeto “L’Ego do Meu Bairro”.