O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, acompanhado pela Vereadora com o pelouro da Educação, Madalena Nunes, e pelo Vereador com o pelouro do Desporto, João Pedro Vieira, visitou hoje a Escola da APEL e o Grupo Desportivo APEL, no âmbito da iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, as Presidências Abertas da Câmara Municipal, que decorrem na freguesia do Imaculado Coração de Maria até ao final do mês de outubro.

O Presidente foi recebido numa reunião informal pela Direção da Escola, nomeadamente pelo Diretor Geral, Padre Fernando Gonçalves, pelo Diretor Pedagógico, Gonçalo Faria, e pelo Diretor Financeiro, José Vieira, onde foi possível inteirar-se da realidade do estabelecimento de ensino, especialmente em termos de oferta formativa e na forma como a comunidade docente está a abordar o início do ano letivo, em plena crise pandémica, e que fez alterar as rotinas educativas.

Miguel Silva Gouveia destacou todo o trabalho de excelência realizado pela APEL ao longo dos anos, “num dos estabelecimentos escolares mais importantes não só do Funchal como também da Região, e que mantém fielmente toda a sua reputação, procurando sempre inovar e proporcionar aos seus alunos oferta educativa e formativa diversificada”.

No Grupo Desportivo APEL, o edil funchalense foi recebido pelo Presidente da Direção, João Maurício Gonçalves, e destacou a importância desta iniciativa que visa ouvir todos aqueles que desenvolvem atividades de utilidade pública, “o Funchal como um Município Amigo do Desporto está sempre atento às preocupações dos clubes e a todo o trabalho valioso que realizam em prol do desporto no Funchal e na Ilha da Madeira. Este grupo desportivo tem merecido o nosso apoio, pois contribuem para promover a prática desportiva no concelho, a formação dos nossos jovens e o seu desenvolvimento e crescimento nos últimos anos tem permitido também divulgar o nome da nossa cidade no meio desportivo nacional”.

O Grupo Desportivo APEL foi fundado no seio da escola particular Associação Promotora do Ensino Livre – APEL e desde o inicio da sua atividade em 1978, teve em funcionamento a parte desportiva junto da comunidade escolar onde participou nas modalidades federadas de Andebol e Ténis de Mesa. A partir de 2002 foram efetuadas as diligências para que o Grupo Desportivo da APEL tivesse estatutos próprios e desde então tem se destacado na prática de diversas modalidades como o Futsal, Futebol e Judo.

“O Funchal Que Nos Une”, as Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, prosseguiram esta sexta-feira o seu calendário de visitas, com a passagem pela sede da Associação de Basquetebol da Madeira, na freguesia do Imaculado Coração de Maria. O Presidente Miguel Silva Gouveia, acompanhado pelo Vereador com o pelouro do Desporto, João Pedro Vieira, foram recebidos por Sandra Reinolds Rebolo, Presidente da Direção da associação.

Miguel Silva Gouveia realizou uma incursão pelas instalações e enalteceu o trabalho desenvolvido, ao longo dos anos, pela Associação de Basquetebol da Madeira, “todos sabemos o peso que tem na formação dos jovens funchalenses amantes desta modalidade e na pratica do basquetebol um pouco por toda a região, e o que temos vindo a procurar junto das entidades nestas visitas é, através da proximidade e do diálogo, perceber a realidade que vivem e oportunidades de melhoria”.

A primeira associação de Basquetebol na Região Autónoma da Madeira nasceu no dia 20 de dezembro de 1934, com a designação de “Associação de Basket-Ball do Funchal”. Em novembro de 1976 e já com o Basquetebol integrado na Associação de Desportos da Madeira (ADM), vários praticantes da modalidade juntaram-se para formar uma Comissão e posteriormente a Pró-Associação de Basquetebol do Funchal, com o objetivo de coordenar o Basquetebol dentro da própria ADM e criar condições para a criação de uma Associação de modalidade.

Foi neste contexto que, a 16 de dezembro de 1977, nasceu a atual Associação de Basquetebol do Funchal – ABM, que tem vindo a desenvolver a modalidade na Região e a fazê-la chegar ao maior número de pessoas possível. A ABM conta com cerca de 1300 participantes, em representação de 29 clubes que estão distribuídos pelos 11 concelhos da Região Autónoma da Madeira

O Presidente considerou, por fim, que “dentro das nossas possibilidades, a Autarquia está sempre pronta para ajudar no desenvolvimento desta modalidade, que proporciona outras experiências que vão muito além do plano desportivo, potenciando a formação de melhores cidadãos e levando também o nome da nossa cidade além fronteiras”.

 

 

 

A iniciativa “O Funchal Que Nos une”, as Presidências Abertas da CMF, passaram esta tarde pela Farmácia de  Santo António, onde o Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, teve a oportunidade de conhecer de perto o trabalho desenvolvido pelas farmácias em prol de todos os funchalenses. O Presidente foi recebido na ocasião por Luísa Saldanha, Diretora Técnica da Farmácia, e pelos representantes Regionais das Farmácias, Carlos Delgado e Cláudia Costa.

Miguel Silva Gouveia referiu que “esta visita permite-nos ter uma visão mais alargada daquela que tem sido a atuação dos farmacêuticos e a posição das farmácias durante esta pandemia. A Farmácia de Santo António foi das únicas que nunca fechou portas e rapidamente se adaptou à situação, e este é um trabalho que vem em consonância com o que temos vindo a realizar na Câmara Municipal do Funchal, procurando, mesmo em tempos conturbados, manter politicas de proximidade e chegar às populações”.

“Estes profissionais de saúde, que trabalham na linha da frente, criam laços de confiança com as populações que servem e são muitas vezes confidentes, psicólogos e amigos, dando-lhes a segurança que necessitam. Isto é algo que deve ser acarinhado, deve ser acutelado, porque o que a crise nos tem ensinado é que a forma descentralizada de chegar às populações é o caminho certo para ir resolvendo os problemas da crise de saúde pública”, acrescentou.

Os representantes da Associação Nacional das Farmácias mostraram ao edil funchalense o seu descontentamento pelo facto das autoridades de saúde da Região não terem incluído os farmacêuticos no grupo de risco para a vacinação contra a gripe, “esta não é uma competência da Câmara Municipal do Funchal, mas estou solidário com esta causa. As pessoas procuram primeiramente soluções fora dos grandes aglomerados de saúde, seja o hospital ou o centro de saúde, e para os profissionais que desempenham uma função de tanta proximidade é essencial estar protegido, para que eles também possam depois servir com mais segurança”.

O autarca durante a visita às instalações lembrou ainda o programa “Comparticipação Municipal em Medicamentos”, feito em parceria com as farmácias, e que permite ao Município do Funchal apoiar os seus munícipes com idade igual ou superior a 55 anos ou com doença crónica incapacitante, na aquisição de medicamentos, salientando que a Autarquia já pediu um empréstimo para fazer face ao possível aumento das necessidades de saúde que a pandemia pode trazer durante o próximo ano.