O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, acompanhado pela Vice-Presidente Idalina Perestrelo e pela Vereadora Madalena Nunes, esteve presente esta manhã, em Santo António, na sede da Associação dos Amigos da Arte Inclusiva – Dançando com a Diferença, em mais uma visita do Executivo camarário às associações da cidade no âmbito da iniciativa “O Funchal Que Nos Une”. Os autarcas funchalenses foram recebidos na ocasião pelo Presidente da Direção, Telmo Luís Ferreira.

Miguel Silva Gouveia realizou uma visita às instalações desta associação que realiza diversas atividades de cariz inclusivo, focadas especialmente nas pessoas com necessidades especiais, e inteirou-se de todo o trabalho desenvolvido pelo grupo que, meritoriamente, tem alcançado reconhecimento e prestígio a nível nacional e internacional.

O Presidente referiu que “o Dançando com a Diferença tem feito realmente a diferença na nossa cidade e por todos os locais por onde passa e faz atuações, abrindo mentalidades e quebrando determinados preconceitos em relação às pessoas com necessidades especiais. Mas mais do que potenciar as capacidades humanas de todos nós, têm permitido que estes jovens, adultos e idosos com necessidades, sintam que fazem verdadeiramente parte da sociedade a que pertencem”.

O grupo tem trabalhado ao longo dos últimos anos em diversos projetos em parceria com a Autarquia, que resultaram, entre outros, em produções como o “Safe”, um espetáculo emotivo que abordou a questão das migrações e dos refugiados, e que esgotou o Teatro Baltazar Dias em todas as sessões. Para além dos apoios através do programa de atribuição de Apoios para o Desenvolvimento de Atividades de Interesse Municipal, que este ano ascendeu aos 30 mil euros, o Município do Funchal também cede o Ginásio de São Martinho ao Dançando com a Diferença para que ali possam dinamizar algumas das suas atividades.

O Presidente realçou, por fim, que “é importante continuar a trabalhar a inclusão social junto das entidades associativas do concelho que se dedicam a esta causa, reforçando não só uma participação cívica que seja de todos e para todos, mas também potenciando, através da arte e da cultura, as inúmeras e preciosas capacidades destes cidadãos”.

A Associação dos Amigos da Arte da Arte Inclusiva – Dançando com a Diferença foi criada em maio de 2007, para gerar um estatuto jurídico do projeto Dançando com a Diferença, que já se desenvolvia desde o ano de 2001. O Projeto nasceu com o objetivo de promover e utilizar as diferentes linguagens artísticas como elemento de inclusão social de pessoas com deficiência e outras. As atividades do grupo centram-se no âmbito artístico, educacional, terapêutico e de apoio a processos terapêuticos

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, e a Vereadora Madalena Nunes, com o pelouro da Inclusão na autarquia, visitaram, na tarde de hoje, no âmbito da iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, as Presidências Abertas da Autarquia, a Associação Presença Feminina – Associação de Apoio à Mulher, cuja ação é direcionada para a defesa dos direitos da mulher, a sua promoção e dignificação, dando particular ênfase ao apoio às vítimas de violência doméstica.

Miguel Silva Gouveia foi recebido por Helena Pestana, responsável da associação e, enalteceu na ocasião “a proximidade e o trabalho em parceria que a Presença Feminina têm vindo a desenvolver com o Município. São desde a primeira instância parte integrante do Conselho Municipal para a Igualdade, e participantes ativos nas iniciativas do município em prol direitos de cidadania, igualdade e não discriminação”.

“É das associações do concelho que canalizam o seu trabalho aos grupos de risco, e estão na linha da frente de atuação na proteção da população mais vulnerável da cidade contribuindo para desafiar mentalidades e crenças culturalmente enraizadas acerca dos papéis sociais de género, apoiando a vítima em diferentes áreas”, destacou o Presidente.

A Associação Presença Feminina Constituída foi criada em 1995, e tem como principal missão apoiar as vítimas do crime de violência doméstica, e as suas famílias, assegurando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais nomeadamente o apoio jurídico, psicológico e socioeconómico, a gestão de uma casa de abrigo para mulheres vítimas de maus tratos e seus filhos/as menores, bem como a ajuda na reintegração social das mulheres vítimas de violência. A par disso, desenvolvem intercâmbio de informações e boas práticas entre associações, atividades de convívio e lazer e dinamização de ações de sensibilização e formação no âmbito da prevenção e combate à violência doméstica e de género.

 

 

 

 

 

 

 

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, acompanhado pelo Vereador Rúben Abreu, prosseguiu hoje as visitas da iniciativa “O Funchal Que Nos Une” à freguesia de Santo António, com passagem pela Mão Solidária – Associação de Apoio à Distribuição Alimentar na Região Autónoma da Madeira. O autarca funchalense foi recebido pela Presidente, Maria Fátima Aveiro.

Esta foi uma oportunidade para o Executivo da Câmara Municipal do Funchal conhecer todo o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido ao longo do ano, e sobretudo nesta altura de crise, pelo Banco Alimentar – Associação Mão Solidária, na defesa e proteção da população mais vulnerável do Funchal e da Região.

Miguel Silva Gouveia referiu que “com a pandemia, o flagelo da fome está a ganhar uma nova dimensão e é preciso que as instituições públicas e privadas continuem a dar uma resposta em termos de emergência social, permitindo que as associações assegurem um trabalho que é essencial junto das famílias de parcos recursos, idosos e pessoas em situação de sem-abrigo”.

O Presidente acrescentou ainda que a Câmara Municipal do Funchal fez, no imediato, todos os possíveis para fazer face a esta crise de saúde pública, “garantindo o pagamento antecipado dos apoios anuais ao associativismo e a atividades de interesse municipal, a um conjunto de associações do concelho que trabalham com grupos considerados de risco e no qual, obviamente, se inclui a Mão Solidária”.

A Mão Solidária – Associação de Apoio à Distribuição Alimentar foi constituída em 2011 e desenvolve atividades de caráter social e humanitário que contribuem para minorar os problemas de pessoas e famílias com carências alimentares comprovadas e ainda promover respostas sociais destinadas a públicos vulneráveis.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, sob o mote “O Funchal Que Nos Une”, visitaram, esta manhã, a Loja Estimei, onde o Presidente Miguel Silva Gouveia e o Vereador Rúben Abreu foram recebidos pela responsável do projeto de empreendedorismo social, Maria João Freitas.

Na visita às instalações da loja e atelier, o edil funchalense inteirou-se do trabalho social desenvolvido enaltecendo “a criatividade e o engenho em repensar sempre numa segunda vida para os objetos que têm quase certo o lixo como seu destino. Aliam a causa social à consciência ambiental promovendo a partilha e a solidariedade e a redução e reutilização de resíduos”, elogiou Miguel Silva Gouveia.

No Funchal, continuou o Presidente, “valorizamos os projetos em parceria, entendemos que construindo uma rede de associações e entidades com a mesma visão fazemos da nossa cidade o que todos ansiamos, inclusiva, solidária e amiga do ambiente, que coaduna a dinamização do consumo no comércio tradicional pelo seu papel importante na economia do concelho, ao desenvolvimento de todos e à sua sustentabilidade”.

A Loja Estimei abriu portas em 2017 e tem, desde então, participado nas ações de revitalização do comércio dinamizadas pelo Município, como o recente Stock Off Funchal.  Além da loja com artigos em segunda mão a preços simbólicos disponibilizam um atelier solidário e um espaço biblioteca fomentando o apoio a famílias carenciadas e incentivando às boas práticas.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, sob o mote “O Funchal Que Nos Une”, visitaram na manhã de hoje, a Associação Protetora dos Pobres, no âmbito do seu calendário anual de visitas às associações e entidades do concelho. O Presidente da CMF, Miguel Silva Gouveia, acompanhado pela Vereadora com o pelouro do Desenvolvimento Social, Madalena Nunes, foi recebido, na ocasião, pela Presidente da Direção, Teresa Perry Vidal.

Miguel Silva Gouveia começou por explicar o propósito desta iniciativa camarária “estes encontros visam promover as políticas de proximidade entre o Executivo da Câmara Municipal e toda a comunidade do Funchal, procurando perceber a realidade destas associações e identificando também todo o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela Autarquia, através dos diversos apoios financeiros que concedemos anualmente”.

O Presidente realizou uma incursão pelas instalações e teve oportunidade de entrar em contacto com alguns munícipes que normalmente usufruem dos espaços da Associação, onde se evidencia uma grande partilha intergeracional, inteirando-se do trabalho profundamente meritório em prol da comunidade.

Na visita dedicada a esta entidade de cariz social, que em 2020 celebrou 131 anos de existência, foram abordadas as novas problemáticas que a pandemia veio trazer “o trabalho da Associação Protetora dos Pobres é extraordinário e é fundamental que no campo social estejamos todos unidos, para podermos dar resposta a esta crise sem precedentes que atravessamos devido ao vírus e que veio afetar no imediato a população mais vulnerável e provocar  um aumento dos pedidos de ajuda”.

A Associação Portuguesa dos Pobres tem por objetivo apoiar os grupos sociais mais carenciados, que procuram a instituição para satisfação das suas necessidades básicas essenciais, ao nível da alimentação, saúde, higiene, habitação e ocupação dos tempos livres, visando a integração social, educativa e cultural. A sua missão passa também por ajudar na mudança de hábitos, trabalhando na prevenção de situações de mendicidade e de abandono.

O Presidente lembrou, por fim, que a Câmara Municipal do Funchal desde o início do período de confinamento tem lançado diversas iniciativas no sentido de auxiliar as necessidades básicas das famílias funchalenses que viram os rendimentos mensais reduzidos por consequência das dificuldades geradas pela COVID-19. Caso disso é o programa “Cabaz Vital”, que segundo os últimos dados oficiais, já chegou a cerca de 10.500 pessoas residentes no concelho, com a entrega de 3110 cabazes compostos por fruta, legumes, ervas aromáticas e ovos.

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, reuniu-se, durante a manhã desta segunda-feira, com Rui Santos, Presidente da Junta de Freguesia de Santo António, no âmbito da iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, as Presidências Abertas da Autarquia. Este encontro de trabalho contou igualmente com a presença de ambos os Executivos.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal numa lógica de proximidade, preveem, em todas as freguesias, a auscultação dos respetivos Executivos locais. Miguel Silva Gouveia refere que “queremos compreender no terreno os principais obstáculos com que os nossos munícipes se deparam, para, em conjunto com a Junta, podermos encontrar as melhores soluções para ultrapassar essas dificuldades”.

Foram, assim, discutidas várias matérias relativas a obras, algumas já concluídas e outras que estão neste momento em curso na freguesia na área das infraestruturas, redes de água e saneamento básico, sem deixar de abordar também as novas acessibilidades, o ambiente e a causa animal, com as campanhas de vacinação que têm sido realizadas em parceria com a Junta.

Na reunião foram ainda abordadas uma série de questões bastante pertinentes sobre o futuro da freguesia, nomeadamente no que diz respeito ao trânsito e que serão oportunamente analisadas pelo Executivo camarário, “são sugestões ao nível da colocação de espelhos parabólicos, novas passadeiras e alterações de sentidos de trânsito em alguns arruamentos da freguesia”. O encontro destacou igualmente o papel social que a CMF tem mantido em Santo António, “uma freguesia onde as assimetrias são mais evidentes nos programas sociais que temos implementado no concelho, como é o caso dos apoios à educação, com a distribuição gratuita de tablets para os alunos do 1.º ciclo”, acrescenta o autarca.

A Câmara Municipal do Funchal mantém com a Junta de Freguesia de Santo António um Acordo de Execução para o mandato de 2017/2021 no valor de € 330.173,50, que visa dar uma resposta mais eficaz aos problemas do dia-a-dia, assumindo uma maior distribuição de competências. O Presidente concluiu salientando que “foi um momento de partilha de preocupações, tendo sempre como prioridade a melhoria da qualidade de vida dos munícipes do Funchal e neste caso específico dos habitantes de Santo António”.

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, anunciou hoje, após a Reunião de Câmara semanal, que decorreu no Centro Paroquial de Santa Quitéria no âmbito da iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, a aprovação do empréstimo bancário de 5 milhões de euros que visa apoiar as famílias, associações e os empresários do Funchal, a fazer face às dificuldades provocadas pela pandemia de Covid-19. O empréstimo foi aprovado com votos favoráveis da Coligação Confiança e abstenção do PSD e CDS.

Miguel Silva Gouveia explicou que “este empréstimo a médio e longo prazo foi permitido aos municípios no início do mês de agosto, quando foi publicado o Orçamento de Estado Suplementar, e veio permitir às câmaras municipais terem um conjunto de instrumentos para auxiliar as famílias, empresas e associações. Tirando proveito da credibilização financeira que temos vindo a conseguir ao longo dos últimos anos, com o pagamento de dívida e com o pagamento atempado a fornecedores, a Câmara Municipal do Funchal, sem precisar do aval do Estado ou da Região, vai à banca pedir este empréstimo para aplicar no combate aos efeitos da crise pandémica”.

“Sensivelmente metade deste valor será aplicado nas áreas socias, educativas e culturais. Procuramos desta forma preventiva e percebendo que muitas famílias podem a breve prazo estar em condições socioeconómicas piores do que as que se encontram atualmente, criar uma rede que permita reforçar o apoio que já damos através dos programas ligados à habitação, como o subsídio municipal ao arrendamento, apoio à natalidade, apoio à compra de medicamentos e alimentação, como é exemplo neste último caso o recém criado “Cabaz Vital”.”

Na vertente educativa a Câmara Municipal do Funchal vai reforçar ainda com este empréstimo a atribuição de bolsas de estudo e o programa “Funchal Educa+”, permitindo manter “o apoio tecnológico aos nossos alunos do 1.º ciclo, para que continuem a ter acesso aos tablets que cedemos e para que o ensino possa ser feito de forma igualitária por todos os cidadãos do Funchal”.

No que diz respeito à Cultura, o autarca lembrou que agentes culturais da cidade ficaram particularmente expostos nesta crise pandémica e que as medidas impostas e sugeridas pelas Autoridades de Saúde acabam por condicionar as atividades culturais, “para fazer frente ao défice de receitas que podem advir destas medidas, procuramos criar um projeto de apoio à cultura no montante de 475 mil euros, com ações como o apoio direto aos artistas e o programa Cultura Segura”.

Por fim, o Presidente esclareceu que os restantes 2,5 milhões de euros do empréstimo serão aplicados na economia local e no comércio municipal, que será materializada em duas medidas, “estes fundo de apoio vão permitir manter vivas muitas das lojas que neste momento estão a sofrer com a descida acentuada do número de turistas e com os reflexos económicos que daí advêm, visando também apoiar todos os concessionários que têm uma relação comercial com a CMF, nomeadamente nos Mercados Municipais”.

 

 

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, sob o mote “O Funchal Que Nos Une”, visitaram na Freguesia de Santo António, a delegação regional da Associação Portuguesa de Deficientes e a Associação Portuguesa das Pessoas com Necessidades Especiais –  Associação Sem Limites.

O Presidente Miguel Silva Gouveia, foi recebido por Filipe Rebelo, Presidente da Direção de ambas as associações, que o levou numa visita guiada às instalações, “ninguém fica indiferente ao trabalho de excelência desenvolvido por estas associações, numa área tão sensível e tão exigente como esta, e a Câmara Municipal do Funchal é omnipresente às instituições do concelho, para aquelas que forem as suas necessidades e dentro dos recursos de que dispomos”.

A Associação Portuguesa de Deficientes tem trabalhado em parceria com a Associação Sem Limites, realizando diversas iniciativas e campanhas em prol da defesa dos interesses gerais, individuais e coletivos das pessoas com deficiência em Portugal, onde se destaca a campanha “Dê Uma Tampa à Indiferença” , que tem permitido ajudar pessoas necessitadas com cadeiras de rodas manuais, comparticipação para próteses, pneus e baterias para cadeiras elétricas, rampas elevatórias, entre outros.

Miguel Silva Gouveia lembrou ainda que “no Funchal temos assumido a inclusão e a acessibilidade como um dos pilares da nossa governação, com uma aposta firme na mitigação e eliminação de barreiras físicas existentes em diversos locais públicos, de forma a possibilitar que todos os cidadãos possam ter uma maior autonomia e participar, de forma mais ativa e natural na vida da nossa cidade”.

A Associação Sem Limites foi fundada a13 de janeiro de 2012 e tem por objetivo principal a representação, a promoção, a formação e a defesa de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais das pessoas com necessidades especiais da Região Autónoma da Madeira através de um apoio à integração e reinserção social e comunitária das crianças, jovens, adultos com necessidades especiais e os seus familiares.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, sob o mote “O Funchal Que Nos Une”, visitaram hoje a Associação de Natação da Madeira. O Presidente Miguel Silva Gouveia e o Vereador do Desporto, João Pedro Vieira, foram recebidos por Avelino Silva, Presidente da entidade há 12 anos.

Miguel Silva Gouveia começou por parabenizar “toda a equipa envolvida na organização de excelência do Madeira Island Ultra Swim, a prova internacional que decorreu no passado sábado e que elevou o nome do Funchal, promovendo a nossa cidade enquanto destino desportivo por excelência e enquanto destino seguro.”

“Ainda que adaptados às novas circunstâncias, é crucial continuarmos a dinamizar eventos como este, de forma a que a prática desportiva na nossa cidade recupere a normalidade possível, tão importante é o seu contributo no desenvolvimento educativo dos jovens, bem como na promoção de hábitos saudáveis”, reforçou o Presidente.

A Associação de Natação da Madeira foi apoiada pelo Município com 70 mil euros desde 2018, uma verba investida nas dezenas de provas e eventos desportivos que são dinamizados na cidade do Funchal anualmente. “Neste encontro reafirmamos, ainda, o apoio para a grande prova internacional que o Funchal receberá em 2021, a World Para Swimming European Open Championships, enquadrada no quadro competitivo internacional e válida para acesso aos Jogos Paralímpicos. Serão cerca de 900 praticantes oriundos de todo o mundo, num evento assente em valores que nos dizem muito, como a inclusão através do desporto, ao que se soma um enorme estímulo à nossa economia local”, concluiu o Presidente.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal visitaram, esta manhã, a Associação de Surdos, Pais, Familiares e Amigos, da Madeira (ASPFAM), onde o Presidente do Município, Miguel Silva Gouveia e a Vereadora com a tutela do Desenvolvimento Social, Madalena Nunes, ficaram a conhecer as instalações e o trabalho diário deste projeto social.

Miguel Silva Gouveia, durante a visita, enalteceu “todo empenho da associação em prol da inclusão através das traduções e da organização de seminários, convívios e formações de modo a promover a acessibilidade aproximando a comunidade ouvinte à comunidade surda. Na Câmara Municipal trabalhamos em parceria com projetos que pensam e agem em prol do desenvolvimento de todos, impedindo que no Funchal alguém fique para trás. Investimos em quebrar barreiras físicas e em tornar a cultura mais acessível. Promovemos, por exemplo, visitas encenadas ao Teatro Municipal Baltazar Dias com tradução em língua gestual portuguesa. A cultura na cidade é para todos”.

A Associação de Surdos, Pais, Familiares e Amigos, da Madeira, com 18 anos de existência, tem por objetivo a implementação de ações que contribuam para a melhor qualidade de vida das pessoas com surdez e trazendo a debate questões que promovem os seus direitos, nomeadamente ao nível da educação, da segurança social e da saúde.