As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, sob o mote “O Funchal que nos Une”, passaram, esta manhã, pelo Colégio de Santa Teresinha, na Freguesia de Santa Luzia, onde também decorreu a Reunião de Câmara semanal da Autarquia. O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, explicou que “pela primeira vez neste mandato, decidimos descentralizar uma reunião de câmara, onde tivemos a preocupação e o cuidado de envolver a comunidade educativa”.

A anteceder os trabalhos da reunião, o Presidente e o restante Executivo camarário tiveram oportunidade de visitar algumas salas de aula deste estabelecimento de ensino, nomeadamente salas do 4º e 9º ano de escolaridade, onde os alunos puderam colocar questões e intervir com os Autarcas. Miguel Silva Gouveia enalteceu que o Funchal enquanto Cidade Educadora e uma Cidade Amiga das Crianças, “procura a proximidade e procura a intervenção de todos os seus munícipes, incluindo, obviamente, toda a comunidade educativa, que são muito importantes na construção de uma cidade”.

O Presidente mostrou-se visivelmente satisfeito com as intervenções feitas pelos alunos, “foi interessante constatar que as crianças têm questões e colocam questões, constatei um público jovem muito atento”. As perguntas passaram por

por diversos temas do dia-a-dia da cidade, como é o caso das questões sociais, com a situação dos sem-abrigo, e também a sustentabilidade ambiental.

Relativamente à ordem de trabalhos da Reunião de Câmara, Miguel Silva Gouveia, disse que “foi aprovado por unanimidade o projeto da nova Rede Clicável, que terá uma extensão de 2,5km, entre a zona do Fórum Madeira e a Praça do Turista. Será o prolongamento da ciclovia já existente, que possui dois troços, criando um novo circuito pedonal com 1,20m de largura por toda a extensão da Estrada Monumental”.

O projeto tem um valor base de 1,3 milhões de euros, com financiamento de 917 mil euros por parte do Programa Madeira 14-20, “o projeto irá agora para concurso público internacional, porque o montante assim o exige, e esperamos ainda neste primeiro semestre que chegue ao terreno, oferecendo assim aos funchalenses e a quem nos visita outras práticas de mobilidade e hábitos de vida saudável”, concluiu.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, sob o mote “O Funchal que nos Une”, passaram, na tarde de hoje, na sede da Banda Municipal do Funchal – Artistas Funchalenses, em Santa Luzia, no âmbito do calendário de visitas desta iniciativa camarária.

O Presidente Miguel Silva Gouveia, e o respetivo Executivo, acompanharam um dos responsáveis, Alcindo Freitas, e o Maestro desta entidade cultural, Aquilino Silva, numa visita pelas instalações, onde puderam abordar a realidade da Banda e conversar sobre a diversas matérias, nomeadamente, perceber as necessidades e dificuldades que o grupo enfrenta no seu trabalho diário, como por exemplo na aposta em formação musical, aquisição de instrumentos e fardamento.

Miguel Silva Gouveia enalteceu, “o inegável valor sociocultural para a cidade de um projeto como este, recordo que esta Banda foi distinguida, em 1912, com o título de Banda Municipal do Funchal, precisamente em reconhecimento dos serviços prestados à Autarquia e, até hoje, este coletivo tem honrado a sua missão de divulgar o património musical da cidade e da Região, sendo para todos nós motivo de muito orgulho”.

Por fim, o Presidente acrescenta que “reconhecemos o papel pedagógico que o grupo transmite a várias gerações, é por isso, e para isso que apoiamos financeiramente este projeto, pois é muito importante que se continue a acarinhar as tradições do nosso concelho, valorizando os artistas regionais e apostando, das mais diversas formas, na Cultura da cidade”.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, sob o mote “O Funchal que nos Une”, iniciaram hoje, na sede da Junta de Freguesia de Santa Luzia, a sua primeira visita pelas Juntas de Freguesia do concelho, com uma reunião entre o Executivo Municipal, liderado pelo Presidente Miguel Silva Gouveia, e o Presidente da Junta de Freguesia, José António Rodrigues.

Miguel Silva Gouveia começou por salientar que esta iniciativa visa ir ao encontro de todas as entidades que estão ao serviço do interesse público municipal, destacando que “há uma prevalência dos apoios sociais e culturais, e nesse sentido procuramos junto do Executivo da Junta de Freguesia, perceber de que forma é que são cumpridos os Acordos de Execução, nomeadamente através dos 98 mil euros anuais que são transferidos pela Câmara Municipal do Funchal para esta Freguesia, procurando analisar a aplicação e o valor acrescentado que essa verba tem trazido aos munícipes de Santa Luzia”.

Ambos os Presidentes aproveitaram assim a oportunidade para debater sobre os investimentos no espaço público e as obras de beneficiação a serem realizadas na freguesia a curto e medio-prazo, debruçando-se, igualmente, sobre algumas obras recentemente executadas, como reparações em becos, veredas e arruamentos, nomeadamente na Travessa do Silvestre Quintino de Freitas, Travessa Dr. Sidónio Pais e Beco do Damião.

O Presidente Miguel Silva Gouveia assegurou ainda que, apesar do representante da Junta de Freguesia ter votado contra o Orçamento Municipal, contribuindo assim para o mesmo fosse chumbado, “a Câmara Municipal do Funchal procurará manter os investimentos que estavam previstos, mantendo os acordos de execução nos montantes que têm vindo a ser transferidos, e também financiando outros investimentos previstos na freguesia, não só a nível de apoio social, como também de investimentos em infraestruturas”.

No calendário de visitas para esta semana, estão já confirmadas as visitas ao Colégio de Santa Teresinha, Clube Montanha do Funchal, Escola da Levada e ao Clube Escola da Levada.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, sob o mote “O Funchal que nos Une”, visitaram na tarde de hoje, em Santa Luzia, a sede do Agrupamento 101 dos Escoteiros de Portugal, que está situada no edifício do antigo Matadouro do Funchal, que é propriedade da Autarquia.

Miguel Silva Gouveia, referiu que “estamos atentos às necessidades deste agrupamento, em 2014 cedemos estas instalações no edifício do antigo Matadouro do Funchal, para que esta delegação pudesse criar a sua sede, e também financiamos apoio com cerca de 10 mil euros através do programa de Atribuição de Apoios Financeiros ao Associativismo e Atividades de Interesse Municipal, que serviu para obras de recuperação e beneficiação deste espaço”.

O Executivo camarário foi recebido por Hélder Jardim, Escoteiro-Chefe deste grupo e pelos restantes membros escotistas, que tiveram oportunidade para explicar as suas atividades, e as diversas causas a que se dedicam voluntariamente, com o objetivo de serem uma mais valia no seio da educação não fornal dos jovens da cidade do Funchal.

 O Presidente vincou que “o trabalho realizado e este agrupamento de escuteiros são um exemplo, e devem ser vistos como uma referência, são uma aposta ganha para o Funchal e uma prova do bom aproveitamento dos fundos de financiamento municipal, colocado ao serviço da comunidade”.

O Agrupamento 101 – Santa Luzia, conta já com 35 anos ao serviço da juventude da Madeira e muito particularmente do concelho do Funchal, e possui atualmente cerca de 50 elementos. A sede da Chefia, funciona em São Martinho, e representa quatro agrupamentos no Funchal (n.º 24, 92, 101 e 159).

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal, sob o mote “O Funchal que nos Une”, visitaram hoje algumas obras públicas na freguesia de Santa Luzia, onde sobressaiu a intervenção no Caminho do Lombo, com a substituição das antigas redes de água potável e repavimentação do arruamento.

Este foi o segundo dia de visitas pela freguesia de Santa Luzia e foi igualmente uma oportunidade para o Presidente Miguel Silva Gouveia e o Vereador Rúben Abreu, que tem o pelouro das Obras Públicas, conversarem com a população, aferindo a melhoria da qualidade de vida que as obras vieram trazer aos residentes, mas também para ouvir propostas e responder às solicitações das pessoas.

Miguel Silva Gouveia salientou que “este é um trabalho continuado e em benefício de toda a população. Estas são obras de proximidade com impactos no quotidiano, contribuindo para a segurança e bem-estar da comunidade, e estamos aqui para ver o trabalho feito, ouvir os funchalenses e continuar a intervir e a melhorar.”

O autarca referiu que “as redes de água desta zona ficaram seriamente afetadas aquando dos incêndios de 2016, pelo que procedemos à sua substituição, sem fibrocimento, e garantimos um novo pavimento ao caminho que também já necessitava de intervenção, num investimento de 345 mil euros, apoiado pelo Fundo de Solidariedade da União Europeia.”

No calendário de visitas segue-se amanhã o Agrupamento 101 dos Escoteiros, com sede no antigo Matadouro do Funchal, em Santa Luzia.

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, e o restante Executivo Municipal, deram início, hoje, no CASA – Centro de Apoio aos Sem-Abrigo, na freguesia de Santa Luzia, à primeira visita da iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, no âmbito do plano anual de Presidências Abertas do concelho.

Miguel Silva Gouveia explicou que “estes encontros visam promover as políticas de proximidade entre o Executivo da Câmara Municipal e toda a comunidade do Funchal, neste sentido, faremos visitas às dez freguesias do concelho do Funchal, procurando identificar todo o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela Autarquia, seja diretamente, seja indiretamente, através dos diversos apoios financeiros que concedemos anualmente”.

Esta primeira visita foi dedicada a uma entidade de cariz social, o Presidente elogiou “o trabalho extraordinário que o CASA faz com as pessoas em situação de sem-abrigo, e também com famílias carenciadas, e aqui neste espaço são servidas cerca de 50 refeições quentes e 25 pequenos-almoços por dia, mas o plano de ação não se prende a estas paredes, e estes voluntários realizam um trabalho que tem uma abrangência municipal, sendo estendido a todo o concelho”.

O Centro de Apoio aos Sem-Abrigo funciona no Auto Silo do Campo da Barca, num espaço que foi cedido em 2017 pela Autarquia Funchalense a esta unidade de solidariedade social “temos procurado agir das mais variadas formas, e este espaço permitiu tratar as pessoas sem-abrigo com a dignidade que elas merecem, mas também atuamos noutros campos, sendo que o CASA é uma das 32 entidades de cariz social que a Câmara Municipal do Funchal apoia através do programa de Apoios Financeiros ao Associativismo e Atividades de Interesse Municipal”.

“Queremos ir ao encontro ao repto lançado pelo Presidente da República, ao qual o Município do Funchal não ficou alheio no passado, nem ficará no futuro, que é o de tentarmos investir na situação e na problemática dos sem-abrigos no nosso concelho, para que dentro de poucos anos seja possível deixar de existir pessoas nesta situação, conseguindo assim uma verdadeira inclusão, num Funchal que se quer de todos, para todos, num Funchal que nos une”, reiterou o Presidente.

O Autarca destacou, por fim, que um dos objetivos das Presidências Abertas é, justamente, “mostrar a toda a população o bom trabalho realizado em diversos locais e nas mais variadas áreas, seja social, cultural, educativa e desportiva, procurando perceber de que forma podemos melhorar a nossa intervenção”.

A Delegação da Madeira do CASA iniciou, em agosto de 2018, a sua ação social, no Funchal, junto da população em situação de sem-abrigo, com a distribuição de refeições quentes e embaladas na Rua do Carmo e nos arredores do Mercado, com o objetivo de gerir de uma forma mais eficaz os recursos disponíveis, combater o desperdício alimentar e canalizar para quem mais precisa. As várias dezenas de voluntários fazem a distribuição diária de refeições, vestuário, calçado, cobertores, sacos-cama, e artigos de higiene pessoal, além de prestar apoio ao nível social e mesmo psicológico.

A Câmara Municipal do Funchal começa a dinamizar, esta semana, a iniciativa “O Funchal Que Nos Une”, um plano anual de Presidências Abertas no concelho, que contemplará um mês dedicado a cada uma das 10 freguesias do Funchal. Esta é uma das grandes novidades da Autarquia para o ano que agora começa, numa iniciativa do Presidente Miguel Silva Gouveia.

O mês de janeiro será passado na freguesia de Santa Luzia e a iniciativa começa no CASA – Centro de Apoio ao Sem-Abrigo. O Presidente prevê “a realização de entre uma a duas dezenas de visitas e iniciativas todos os meses em cada freguesia do Funchal, tendo como objetivo estrutural promover aquele que é um dos pilares da nossa governação no concelho: a proximidade e a participação cívica.” No mês de fevereiro, a iniciativa prossegue em São Pedro.

“Estas Presidências Abertas serão, na verdade, uma consequência natural do trabalho que fazemos no terreno todos os dias e pelo qual a nossa governação na cidade sempre se notabilizou. Serão mais uma forma de esbater barreiras entre o Executivo e os munícipes e de ouvir as pessoas, os clubes e as associações, registando aquilo que para todas elas é mais importante, seja o que está bem, sejam oportunidades de melhorar, às quais procuraremos responder da melhor forma possível, com os recursos de que dispomos.”

Miguel Silva Gouveia explica que o fio condutor das visitas serão os apoios financeiros anuais ao associativismo e a atividades de interesse municipal atribuídos pela Autarquia, ou seja, “queremos conhecer melhor o trabalho que é feito pelas entidades que são apoiadas diretamente pela Câmara do Funchal, no sentido de valorizá-lo publicamente e de aferir se os objetivos estão a ser cumpridos.” Recorde-se, a este propósito, que no ano de 2019 a Autarquia deliberou apoios a um total de 219 associações do concelho, num montante superior a 1,5 milhões de euros.

As Presidências Abertas da Câmara Municipal do Funchal irão privilegiar, igualmente, visitas a outras entidades de interesse local, bem como a obras importantes que têm sido feitas um pouco por todas as freguesias do concelho, avaliando o trabalho da edilidade em prol da comunidade. Também garantida está a descentralização das Reuniões de Câmara, sendo que, ao longo do ano, todas as freguesias irão acolher uma reunião no seu respetivo mês de Presidências Abertas.

Ao longo de 2020, o Executivo Municipal visitará, assim, de forma sistemática todas as freguesias do Funchal, no sentido de obter um reconhecimento profundo da realidade da população. “Para nós, todas as medidas tendentes a melhorar o dia-a-dia das pessoas são importantes, desde as obras maiores às intervenções mais pequenas, da Baixa às Zonas Altas, onde nem sempre é possível estar tão presente. Vamos concretizar, no terreno, uma democracia de proximidade, com uma dinâmica local, comunitária, inteligente e mobilizadora, porque só assim a democracia faz sentido.